Congregação dos Sagrados Estigmas De nosso senhor Jesus CristoPresente no Brasil desde 1910
Província Sta. Cruz

Dia das Mães - Pe. Elizio

Dia das Mães - Pe. Elizio

Mãe, única sílaba de um único amor, o mais puro amor, imenso e infinito. Amor de mãe é o que a gente não entende. Parece que Deus quis deixar aqui na terra uma representante de seu amor incondicional e encontrou aquela que mais faz sem esperar nada em troca. É assim mesmo. Mãe não espera retribuições. Simplesmente entrega e nada mais! E como dizia o poeta mineiro, Carlos Drummond de Andrade: “Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga quando sopra o vento e chuva desaba”.

A gente queria que as mães fossem para sempre e estivessem para sempre com a gente. Drummond, no mesmo poema dizia: “Fosse eu Rei do Mundo, baixava uma lei: Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre junto de seu filho e ele, velho embora, será pequenino feito grão de milho”. Mas não somos assim... Pelo menos não nesta vida. A gente passa! Mas não nos deixa triste essa constatação. Pois o que faz mãe ser mãe é o que faz Deus ser Deus: o amor! E esse é eterno, não acaba, não envelhece, não se deixa envenenar e eterniza nossas vidas.

Desse amor aprendemos desde quando repousamos, esperando no seio materno chegar a nossa hora. E quando ali dentro, aquecidos pela proteção, esperamos, sentindo os afagos mais doces daquela que primeiro nos segura na vida e nos apresenta o mundo. E embora este, com sua insensatez, busque nos quitar aquela paz, é para ele que somos educados e é nele que encontramos essas mulheres vigorosas e ao mesmo tempo suaves e leves a nos ensinar e consolar, dizendo-nos com seus gestos ternos, que mesmo o mundo fechando as portas para nós, as de seu coração sempre estarão abertas para nos devolver aquela calma que muitas vezes este mesmo mundo insiste nos roubar.

Feliz dia das mães para todas aquelas que fazem da vida uma eterna doação de amor, carinho e ternura.